Muitos acreditam que as dificuldades da vida financeira só aparecem enquanto as pessoas ainda são jovens, no entanto, elas estão muito enganadas. Apesar da juventude e a fase adulta da vida serem os períodos mais propícios para trabalhar e acumular dinheiro para se sustentar na velhice, só isso não basta, lá na frente ainda é necessário tomar algumas medidas.

No blog de hoje, falaremos a respeito da importância da educação financeira na terceira idade e quais práticas são importantes para que haja estabilidade no período mais delicado da existência humana. Gostaria de saber detalhes sobre este assunto? Continue lendo!

Qual a importância da educação financeira na velhice?

Educação financeira nada mais é do que uma série de conceitos com o propósito de ajudar os consumidores no gerenciamento dos seus rendimentos, por exemplo, mostrando a melhor forma de poupar, como investir corretamente, se o consumo é consciente e não vai causar nenhum dano e quais são a melhores táticas para prevenir fraudes e golpes, entre outras coisas.

Por isso, quanto antes um indivíduo tiver conhecimento sobre educação financeira, melhores podem ser as condições e decisões administrativas que vão ser tomadas. Tudo começa com poupar um pouco aqui, fazer alguns cortes ali, até iniciar corretamente na vida profissional para gerar uma boa aposentadoria ou fazer compras de ações de empresas. Enfim, o conhecimento financeiro pode ser aplicado em qualquer lugar.

Mas, se você não teve a chance de aprender essas técnicas ou se planejar enquanto ainda era jovem, não se sinta mal. Afinal, nunca é tarde para aprender o conceito e começar a aplicá-lo dentro de casa.

Como fazer um planejamento financeiro na terceira idade?

Após uma longa vida, construindo seu patrimônio e cuidado dos seus filhos e netos, finalmente chegou a hora de se aposentar, mas você sente que, talvez não consiga manter a qualidade de vida que tem ou sempre sonhou, não se preocupe. Existe diversas práticas que podem auxiliar no seu melhor descanso, garantindo dias melhores, mais leves e felizes. Saiba quais são nos tópicos a seguir:

Analise sua situação financeira

O começo de qualquer planejamento é sempre baseado na averiguação do ponto de partida, ou seja, a sua atual atuação situação financeira. Você tem uma reserva de emergência? Existem muitas dívidas ou pendências financeiras que precisam ser quitadas? Qual o valor das suas despesas fixas? Qual seu rendimento mensal? Existe alguma fonte de renda complementar? Entre outros detalhes.

Ter em mente essas respostas torna possível passar para o próximo passo, quando é iniciado de fato o planejamento financeiro para viver bem na melhor idade.

Revise suas dívidas

O primeiro passo é saber se há e qual o valor das suas dívidas. Se elas ainda são recorrentes, como um parcelamento, é preciso saber o quanto do seu rendimento ela consome. Essa avaliação é importante para saber o efeito que a troca de um salário pela aposentadoria vai fazer, principalmente se não existir uma reserva de emergência.

Por isso, o mais recomendado é procurar pagar os débitos o quanto antes. Procure seus credores e tente negociar melhores condições para fazer os pagamentos, como receber descontos, diminuir juros ou parcelas, entre outros.

Corte gastos

Esse tópico é muito simples. Tudo que não é gasto fixo pode ser reavaliado para ter certeza de que vale a pena continuar usando o seu dinheiro com aquilo. Lembre-se que qualidade de vida não é a mesma coisa que gastar com tudo que quiser descontroladamente, isso só leva à ruína. Portanto, bote na ponta do lápis o quanto gasta com internet, lanches, pacotes de TV e streaming, presentinhos e muito mais. Apesar de parecerem gastos bobos separadamente, juntos causam um grande impacto.

Cuidado com o cartão de crédito

É comum pintar o cartão de crédito como o vilão da história, mas a verdade é que quem torna ele o bicho de sete cabeças são as pessoas que não sabem usá-lo. Se houver um bom controle sob os gastos, com bastante planejamento, é possível explorar os benefícios desse recurso ao máximo sem sofrer qualquer contragolpe.

Todavia, fica aqui uma dica: sempre que for oportuno, escolha pagar no débito. Além disso, descubra se o seu banco oferece programas de pontos ou benefícios. Ter autocontrole também é essencial para nunca se render ao desejo que pode ser tornar uma maldição a qualquer momento.

Cuidado com propagandas

Os aposentados são o principal alvo de empresas de crédito que prometem acesso a dinheiro fácil. No entanto é preciso ficar atento para não cair no golpe das “letras miúdas”, onde apenas o que parece ser fantástico é exposto e todos os outros detalhes ficam nas sombras, aí o que era para ser uma solução se torna um problema.

Caso surja a necessidade de algum empréstimo, busque por instituições reconhecidas e renomadas, e avalie os mínimos detalhes com cuidado, paciência e cautela. Caso o atendente expresse algum comportamento adverso, apressando o processo ou impedindo que você faça pesquisas de mercado ou buscar uma segunda opção, fuja! Essa postura não é nada confiável e pode te render muitas dores de cabeça.

Busque uma renda extra

Além de tudo isso exposto neste post, seus aprendizados e práticas financeiras na terceira idade podem ser potencializados com uma renda extra. Seja venda de alimentos, peças de roupa ou acessórios para casa feitos a mãos ou até mesmo concertos pequenos. Só não se esqueça de apontar esses ganhos na declaração de impostos – nessa situação, uma ajuda profissional é sempre bem-vinda.

Viu só como a educação financeira na terceira idade pode transformar esse momento da sua vida? Caso precise de ajuda para aproveitar a velhice com calma, entre em contato com a Vupt Consignado. Temos a solução que você precisa!